Layout / Art: Ana.

sábado, maio 19, 2007

fim de sábado com Pedro Gutiérrez


Meu sábado foi como há muito tempo não era....

(...) A arte só serve para alguma coisa se é irreverente, atormentada, cheia de pesadelos e desespero(...)

" ancorado em terra de nínguem"


(...) me joguei um pouco na cama ao meio-dia, mas meu quarto fica num oitavo andar. É uma cobertura de frente para o mar. E , há outros quartos. Gente como eu. Ou ainda mais pobres e meio analfabetos. Bom, isso é o que eu tenho. Então, duas garotinhas saem para a cobertura e começam a gritar para uns negros que andavam pelo Malecón: " mostra, anda! Você não tem nada! Tem é uma merdinha. Ha, ha, ha. Mostra, mostra...Ah, está muito dura. Vai, vai tira de novo e mostra pra mim que a polícia vai prender você".
Assim ficaram meia hora, gritando a plenos pulmões da sacada para a rua. E eu não conseguia dormir. Então saí na porta e disse para elas:
- Olhe, porque vocês não descem e batem uma punheta nesses negros?
- Me deixem dormir, porra!
- Ah, que fino, Pedro Juan dorme ao meio-dia. Por que não desce e bate voce a punheta , careca de merda, burguesão?
fls.64, Trilogia sucia de la Habana

3 comentários:

monica disse...

desalentos e desencantos...

..na sina da esquina
dobra a vida do eu
ele grita - Ei!,
minha vida uiva
na quina!
ui, tropecei na rima.
..

kika disse...

moninha, voce e o maximo da cultura brasileira, morro de orgulho......

Claudio Costa disse...

Um pouco de poesia e o dia está salvo" Thanks!