Layout / Art: Ana.

sábado, maio 06, 2006

Meu Avô Batista


Meu avó era um homem alto,magro, olhos azuis.
Ele ficava sentado horas na varanda se balançando em uma cadeira.
As vezes, me via sentada em seus pés, e ele me balançava junto.
Ninguem falava alto perto dele.Ele batia com a bengala se alguem falasse alto.
Ficou silenciosa a casa da minha avó enquando meu avô viivia..
Mas, o que eu não sabia , era que o silencio, era o silencio da morte.
Mas aquele dia, era diferente.
O Brasil estava jogando sua ultima partida.
A Copa da Suécia.A copa do Pelé.
Me lembro pouco, mas foram muitos gols, por que ele gritou muitas vezes.
Meu avô, o radinho, a varanda, eu, minha prima Yara.
Tio Gugu, tia Bety, tio Pepeda.
Foi a maior gritaria! Meu avô falando alto.
Meu avô sorrindo...
Ele tinha os olhos brilhantes, duas pedras azuis.
Com lágrimas e sorrindo, quase as gargalhadas.
Eu ria também ria..Me jogavam para o alto. eu passava de colo em colo.
Foi a ultima vez que eu vi meu avô Batista rir. Foi a unica vez que ouvi meu avô gritar.
EH campeão!!!
Foi desde aquele dia que eu aprendi a gostar da alegria do futebol.
Ele trás sorriso e lágrimas. Ele fez meu avô feliz.

4 comentários:

Joana disse...

mae, c escreveu avo(femea) em vez de avo(macho) na primeira frase. nao tenho acentos

Leo Calvao disse...

aeeeeeeee
adorei seu espaço. muito bacana. quando eu sentir saudades venhoa aki te ver, hehehehe.
quando vem ao Rio passear?
me avise.
Beijo grande e saudades das nossas maluquisses.

joana disse...

adorei o testo.. desculpe a critica do acento!

marilia disse...

Ah, que delicia Leozinho...aparece mais....saudade d'oce sô...