Layout / Art: Ana.

domingo, junho 17, 2007

sexualidade, mulheres, e masturbação


Depois que recebi um e-mail, há uma semana de uma leitora que se identificou como uma mulher de 50 anos, separada e ativa , e sem coragem de transar / me contou a história dela/ fiquei pensando se deveria falar sobre os assuntos solicitados ( vide post semana passada).
Então me lembrei desse meu texto, 'meio' erótico, meio confessional, escrito ano passado. Porém, cautelosa que ando....troquei umas ideias com uma amigona virtual, que me deu maior apoio, achando que era bom o texto, e que deveria sim, ser publicado! Vou publicar mesmo tendo pintado uma duvidazinha ao ler ontem a crônica no blog da Cora Ronai, onde me surprendi com a frase dela : "Serão as garotas mais exibicionistas e os rapazes por natureza voyeurs? "
TEXTO

Era uma sexta feira, mês de agosto.
Não estava em frio, apenas corria uma chuva fina, e ventava de leve.
Ela havia prolongado seu tempo dentro do escritório ao máximo.
Oito da noite. Não podia mais ficar.
Todos os prazos findos, nenhum processo na mesa.
Era seu fim de semana sem a filha.
Era o terceiro fim de semana que ficaria sózinha.
Havia terminado tudo com ele.
Verdade verdadeira: - ela estava sózinha.
Subindo a Avenida Bias Fortes, mesmo sob uma chuvinha fina, deu para perceber o letreiro luminoso, SEXUX...
Via sempre a loja, foi a primeira vez que parou e entrou.
Sentiu uma tensão, sua voz demorou a sair de dentro da garganta.
A vendedora entendeu. Estava acostumada com a reação de mulheres.
Rápida, ela me conduziu ao balcão dos vibradores.
Eram pênis de todos os tipos e tamanhos, falos pitorescos, bizarros.
Custava caro o qu’eu escolhi, mas pelo que a moça me explicou, era prazer total....
Virava, mexia, crescia, enfim, era um perfeito pênis de borracha, especial, textura única.
Era realmente o mais interessante.
..................................................................
De volta ao seu carro, ela riu baixinho, um pouco mais relaxada...
Uma de suas manias sempre foi comprar calcinhas.
Seu fetiche. Brancas. Comprava todas...
Ela gostava de transar nua, vestida com as calcinhas.
De algodão, de renda, transparentes.
Calcinhas brancas, vodka, gelo, e um pênis de todo tamanho!
Hoje, a noite seria dela...prazer total, a moça havia dito.
Prazer que havia comprado.
A casa silenciosa, estava com o cheiro de sempre.
Incenso de canela. Abriu as janelas, ligou o som.
Começou com a Billie ...sabia que ia terminar com Chet Baker...
Encaminhou-se para o quarto, pacote “com o vibrador modelo pênis autêntico” na mão.
Colocou - em cima da cama.
Não sabia por onde começar.
Resolver fazer gênero.
Tirou lentamente a roupa, foi deixando pelo quarto.
Abriu o chuveiro. Tomou uma ducha. Devagar.
Iniciou seu toque passando o sabonete pelo corpo.
A pele bronzeada, mesmo sendo o mês de agosto, era outra característica sua.
Gostava de ter marcas, achava seus seios mais bonitos, ressaltados pelo contorno do biquine. Levou a mão junto a seu sexo.
Bom....Fez outra vez, com mais fôrça.
Quis se ver. Saiu molhada da ducha, limpou o espelho embaçado pelo vapor.
Arrepiou, estava frio, chovia lá fora.
Sentada em cima da pia, afastava com as mãos os lábios do seu sexo.
Sentiu prazer em olhar no espelho enquanto se masturbava.
Adorava a idéia de que ainda não tinha cabelos brancos ali.
Gostava dos seus pelos.
Depilava muito pouco, somente em volta.
Seus pelos são macios, doces...
Riu lembrando-se que sempre lhe falavam isso.
Ficou lá, se olhando, se masturbando de leve, água escorrendo pelo corpo, sem sentir frio.
Seria tudo feito com muita calma.
Ela já estava excitada, quando foi passar o creme.
Escolheu um com cheiro de lavanda...
Ao passar pelo corpo, sentiu o bico dos seios endurecidos.
A vagina aos poucos iniciou um movimento de contração e descontração.
Ela fazia isso bem, seus homens assustavam quando tinham os membros comprimidos, apertavam seu corpo, de tanto tesão....
Saiu andando pela casa.
Nua, de calcinhas.
Calcinhas brancas, corpo preparado.
Era bom andar pela casa assim.
Desprotegida.
O pacote, lá, aberto.
O pênis, objeto do desejo?
Deveria ser ela... Contradição da solidão.
Pegou um copo, gelo, vodka pura.
I love my man, a Billie cantava....
Onde seria? Como?
Andando, ia de um cômodo para outro, copo em uma mão, as vezes o espremia contra os seios, enquanto a outra passeava pelo seu corpo.
Dentro e fora. Lambia seus dedos após colocá-los, enfiar mesmo, dentro de si.
Adorava o incômodo da calcinha, meio de lado, machucando.
Seu fetiche.
Parou na sala. A janela, com vista ampla estava com as cortinas abertas.
Já passava das dez da noite, quem quisesse ver teria que estar também atendo e sozinho.
Ela estava preparada. Abriu as pernas e sentou-se no braço de um dos sofás.
Era boa a sensação de se esfregar contra o pano.
Teria que fazer sózinha. Era o propósito.
Gostava mesmo era de sentir a mão entrando em sua calcinha, puxando para o lado.
Masturbar era um exercício, uma brincadeira que ela sempre fez para o amante.
Adorava se exibir para ele.
Se tocar, deixando-o ver tudo.
Abrindo as pernas aos poucos, enfiando os dedos, abrindo a vagina, entrando pela frente, e deixando-o segurá-la por trás.
Mas lá estava ela imaginando, lembrando momentos.
Toda molhada de desejo, lambeu mais uma vez os dedos...
Gosto bom, mistura de vodka, lavanda e tesão.
Levantou meio anestesiada.
Estava pronta. ( ela repetia para si mesma)
Pegou o objeto...Queria sentir.
Foi colocando dentro de si, abrindo seu corpo, enfiando em sua vagina, em seu sexo molhado, quente.
Machucou-se, DEU-LHE MAIS TESÃO, o objeto era grande!
Ela abria e fechava a boca, como se pudesse engolir...
O vibrador!?!
- Onde ligava para fazer girar, ela já estava maluca, aquilo dentro dela, sua mão entrando e saindo, os movimentos ...
Uma, duas, três vezes, com força, bem fundo!
O objeto crescia dentro dela, a sua mão nos seios, ela se contorcendo, queria puxar os cabelos, já rolava pelo tapete, havia descido do sofá, e estava ali, nua, de calcinhas, com um pênis de borracha dentro dela!
Mistura de sons, a billie, sua voz, seu grito..
Mais, mais, mais... Ah... . Gozou...Era sempre assim...
Gozava e ria, era bom, é bom.
De repente, silêncio. Fim da música.
A chuva fina na janela fez com que ela sentisse o frio em seu corpo.
Enrolou-se toda, mas antes, retirou de dentro dela o objeto.
Duro, grande e sem vida, sem semem....
Ela esta seca. Estranha sensação.
Em suas transas sempre acaba toda lambuzada, pela boca, pelo sexo, pela frente, por trás.
Ela adora quando é toda possuída, mão, pênis, boca, suor, saliva.
Mas desta vez ela ficou com frio.
Ficou sem sono. Ficou seca.
Teve que reconhecer que sentia falta do peito aconchegante, das mãos que puxavam seu queixo para cima, do beijo leve na boca, do depois, do suor misturado, do sono junto.
Ela até hoje fica na dúvida.
O prazer pelo prazer?
Bom, eterna romântica, ou insatisfeita solitária?
Como já sabido, colocou Chet Baker ...
my favorite songs...the great last concert...
by Marilia / agosto 2006

25 comentários:

monica alvarenga disse...

o que dizer...???
uma cena linda.
adorei!

Yvonne disse...

Querida, nem sei o que dizer. Você agora arrasou. Escreveu o que todas nós somos, ou seja, mulheres trintonas, quarentonas, cinquentonas que amam e querem se divertir, apesar do mundo inteiro dizer que não somos mais especiais, porque não temos a cara da Piovani ou o corpo da Juliana Paes. Adorável o seu conto que me deu vontade de escrever também algo parecido. Beijocas

valter ferraz disse...

Marília,
Toda cena que começa com Billie Holliday e termina com Chet Baker promete. E não é preciso mais que a imaginação correr solta para dar vazão aos sentimentos.
Textos como este mexem com os sentimentos escondidos. Muitos autores(homens) tentam colocá-la nos escritos e sucumbem, poucas vezes ví um texto escrito de forma competente por um homem, falta-nos o conhecimento fisiológico, acho. É muito fácil começar e descambar para o pornográfico e quando não é essa a intenção o texto fica quebrado. No cinema é mais fácil pois conta-se com recursos visuais, mudanças de cena, luz, enquadramento.
Tenho um post meio antigo de nome: O PUTO em que narro uma situação meio assim, claro não fui tão fundo(ops!) mas tentei, se mtiver curiosidade procure nos meus arquivos.
Beijo grande

Lino disse...

Acho que a sexualidade, masculina e feminina, é tratada como tabu. Somos ensinado a não falar dela, colocando-a de lado. Tudo isso para lhe dar parabéns pelo texto, que é mesmo ótimo, como a Yvonne observou.

Anônimo disse...

De:Eliane - Depyl BH
Enviado: domingo, 17 de junho de 2007 16:28:22
Para: "marilia lima de alvarenga"
Assunto: comentário do blog|
Caixa de Entrada
Tentei mandar pelo blog, mas não vai....então vai pelo e-mail...

Não sei... Pq ninguém sabe o que dizer???
Talvez vc devesse escrever no jornal... Esculhambar... Trazer todas as mulheres enrustidas para a vida... Um Diogo Mainard erótico... rs... É isso aí. A coragem de se expor, mas se exponha mais e mais para mais gente... Cutuque, ofereça, ameace a ordem pudica das mulheres maduras doidas de prazer insatisfeito!

Adoro Izabel Allende. Parece com vc.
Lavanda: As sementes aromatizam perfumes e sabonetes, mas antigamente tb eram usadas na cozinha como afrodisíacos. São um pouco amargas e picantes, podem arruinar sua salada, mas realçam uma sopa. Se não quiser correr riscos em sua cozinha, coloque-as em um sache embaixo do travesseiro onde vai fazer amor.

Mais....:
Seu hálito é como mel aromatizado com cravo; Sua boca, deliciosa como uma manga madura. Beijar sua pele é como experimentar o lótus. A cavidade do seu umbigo oculta uma profusão de especiarias. Que prazeres repousam depois, a língua sabe, mas não pode dizer. (sec. XII)!!!

Sandra disse...

(sei lá o que fiz que o comentário sumiu..)

Olha... Tô nessa vida de blog faz quase dois anos e ainda me surpreendo. Com pessoas maravilhosas que conheci e com o "lado do mal"...rsss.
Infelizmente tem "gente" que acha que caixa de comentário cheia é sinal verde para pisar.
Faça como eu: mande a .... Cuba! Fácil, fácil. te garanto que não dói e além disso, dá um alívio danado!!!

Beijos e fica bem.

O Meu Jeito de Ser disse...

Marília, um texto bem escrito, bem conduzido, tem que ser mostrado sim, porquê não?
Não necessariamente todas as mulheres que leêm seu texto, precisa concordar com ele, ou se vre nele.
Mas nenhuma mulher, por mais "puritana" que queira ser, não saberá do que vc está falando.
Pode ser puritana, ou dissimulada, ma entende muito bem da sua própria sexualidade, sabe dos seus desejos, sabe do que é importante para si própria.
É uma pena, quando sobra este gostinho amargo da solidão né?
Eu particularmente prefiro a companhia, que todo mundo sabe de quem é, não tenho nenhuma frustração, portanto, ainda prefiro o sono delicioso recostada no peito, sentindo o cheiro e o carinho.
Fico completa.
Um beijo.
Vamos agitar, vamos por mais bons textos no ar.

marilia disse...

Ah, Aninha..vc é bem sabida!
o gostinho da solidão no ar é ruim mesmo...
mas já vivi grandes amores, por tempos eternos, enquanto duraram, não sou melancolica e tb não faço o genero carente...,vc sabe, mas, que juntinho é bem melhor, lá isso é...rsss
Acho muito bacana vc e outras amigas qu'eu tenho que vivem plenamente a sexualidade delas com o homem amado...
Curtam e escrevam também...
Dividir sensações, qdo são boas e bem contadas, é uma delicia!
Valeu amiga, um grande bjos!
Ps.; vc viu qe a Yvonne esta sugerindo de chamar de anona? rsss vc é fera, minha amiga, e dá conta do recado!
eita mulherão...
bjos

tina oiticica harris disse...

Não dou palpite na sexualidade alheia. Você verá esta afirmativa através do meu blog.

Quanto ao teor erótico, sugiro leitura do "Frenesi e Lucidez", um blog na minha lista.

Beijos,

O Meu Jeito de Ser disse...

Já falei também alguma coisa sobre sexualidade. Gosto, não tenho problemas e nem vergonha de falar sobre isso, que é um assunto bem resolvido por nós.
Já tinha visto o comentário da Yvone no post de baixo, ela é demais, uma amigona.
Ainda vou copiar o comentário e fazer um post sobre ele.
Um beijo.

marilia disse...

De: Sandra Pontes
Enviado: domingo, 17 de junho de 2007 18:42:46
Para:
Marilialvarenga@hotmail.com>
Assunto: RES: [Sandra Pontes] Comment: "O Lápis Mágico (*)"
Dio santo!! Como eu sou atrapalhada!!! Mil perdões, Marília!!! Li comentário no Afonso – O chato e fui te conhecer..... Concordei em gênero, número e grau com o que vc disse no blog dele...
“Quanto a esse universo, vou chegando devagar, e já tive algumas experiencias meio chatas, em blogs de gente de "extrema cultura e inteligencia", que respondeu um comentario meu como se eu fosse a pessoa mais idiota do mundo, simplesmente pq eu havia discordado, "em tese" da opinião verdade absoluta dele"...
Vc tem razão... aqui a gente conhece mais depressa as pessoas, e consegue escolher, ao final, quem visitar, com quem se relacionar...pelo bem, e pelo prazer...”

Anônimo disse...

Ai ai........rs se fosse uns 7 anos atrás eu diria, essa Marilia é doida.......completa de escrever e postar algo assim... mas, hoje estou tao resolvida com minha sexualidade que posso te dizer o seguinte, ate a mais eterna romantica, ou solitaria......tem que aproveitar e vivenciar todas as sensações, inclusive essa.....
beijos.
dedéia.

Anônimo disse...

Marília, muito bom o conto, principalmente esse negócio de misturar "eu" e "ela" na narrativa: fica muito moderno e envolvente assim. Só um reparo na digitação: dê uma corrigida no "gozar" (saiu com s)e no "queixo" (saiu com j). Aguardamos os próximos!

Anônimo disse...

Marília, muito bom o conto, principalmente esse negócio de misturar "eu" e "ela" na narrativa: ficou muito moderno e envolvente assim. Só um reparo na digitação: dê uma corrigida no "gozar" (saiu com s e no "queixo" (saiu com j).
Aguardamos os próximos!

Ana disse...

Uhúúú, Marília, arrasou, heim?
A "transa" de borracha deve ter sido boa... porém, romântica como tb sou, a sensação de solidão que deu depois deve ter pesado, esta coisa de estar "seca", e sozinha, sem um peito pra te aconchegar... Ahh... os homens nem se tocam, mas o "depois" é tão importante quanto o antes e o durante, não é mesmo?
Beijo.

Carlinha disse...

Eu adoro ver, devo ter alma de homem entao. Porque ler, ver, ouvir, imaginar é comigo mesma!
Beijocas, porque você arrasou com o texto!

Priscila Pires disse...

Adoreiiiiiiiiiii
Primeiro que sou louca pra comprar um vibrador pra mim jah que agora nao tenho mais a assistencia semanal do irresistivel Blue Eyes. Depois pq adooooooooooro ler contos eroticos e tals...adorei mesmo!
arrasou com o texto e obrigada pela visita. volte sempre!

Vivendo deixando a vida me levar... disse...

Muito bem escrito, mexe com a imaginação, fascina!
Adorei sim, concordo em tê-lo postado, não poderia ter nos escondido!!
Que venham outros sim...

grande bijuuu

Clara disse...

marilia muito bom o texto
so voce mesmo!
muito bem escrito
heheheheeh
beijoss

marilia disse...

gente, bacana saber que os comentarios que estão aqui são sinceros.
acho que somos todos possuidos por essa sensação ( sensual, sexual) em algum momento. como lidar com isso, como lidar com o desejo, com a solidão,com o outro, enfim, são coisas que deveriam ser mais faladas. quando se fala , ou se escreve , de certa forma dividi-se a ideia.
valeu , e escrevam também.....

pianomanga disse...

oiiiiiiii grande Marilia, so pode-
-ria vir de voce um texto deste ga
lhardao pois eu que sou fissurado
neste genero de literatura, ainda nao havia lido algo tao leve e con
duzido de forma a nos fazer ler com
calma, sentindo o desenrolar da
cena que na nossa imaginacao segue
gostosamente interminavel.Parabens
e que venha mais, pois o que e bom
nao pode ficar somente na individua
lidade de cada um que tem o dom de transportar para o papel o que lhes
vai na mente.Boa noite e fique na paz.

joana disse...

responid ja no seu email! bjos

magda disse...

Ydizinha,
ontem a tarde, rapidamente li no seu blog, que por sinal é "hour concurs"!
o texto, sexualmente falando, HIPER SEXY, QUE TESÃO HEIM????? Já adianto que não se pode ler esse tipo de coisa a tarde no trabalho,
SACANAGEM!!!!!!!!!!! Bom, literariamente falando, é um texto lindo, e com toda certeza do mundo VERDADEIRO, acontece com qq uma ou um e esse relato foi de alguém muito próximo... você? se for, que
vida!!!
beijos, Gdá.

Gdá disse...

Ydiiiiii consegui blogar, hehehehehehe agora ao vivo e a cores PARABÉNS!!!!!!!!! você é o máximo!!!!!!!!!! e viva a sexualidade, masturbação e as MULHERES!!!!!!!!
beijos com muitas saudades de vc, Gdá

Méia disse...

Ydizinha, concordo plenamente com o pindamonhagaba, vc tem uma maneira de escrever que nos transporta, nos faz montar o cenário, ouvir a música, sentir o cheiro, é como um bom livro, bastando ler para experimentar, estar lá, ser transportado...
Amei o texto, já havia lido ontem, mas só hoje tive tempo de comentar...
saudades
meia