Layout / Art: Ana.

quarta-feira, setembro 20, 2006

De cheiro, Ivone e judas...


A janela da sala de onde eu trabalho dá direto para a via expressa, e na frente, um pouco mais longe, eu vejo o cemitério do Bonfim. Me lembro de quando era criança, a Ivone, que era nossa bábá, contava a historia da noiva do bonde, que conversava com os passageiros e descia na porta do cemitério e desaparecia...
Tremiamos de medo da historia, por que a Ivone jurava que era verdade e que até uma amiga dela já tinha visto a moça!
Ivone era uma negra daquelas bravas, que quando resolvia brincar virava uma criança, e rolava na grama, mas quando cismava de ficar brava, escondiamos dentro do armário, por que ela aprontava uma correria, e se pegasse um, levava o "os mininu capetas" pela orelha pra mamãe. E ai, era castigo na certa.
Todo mundo que morava na rua Albita conhecia a Ivone.
Ela dizia desaforo na padaria, no Big-joy, pros meninos que brincavam de mãe da rua, enfim ela era a bábá mais famosa da rua.
Tinha a Alzira, que cuidava dos meninos do seu Calumby, mas igual a Ivone, nenhuma!
A Noni, ( era assim que a gente chamava ela), só teve um amor na vida :
O Zé, que ela havia conhecido em São Paulo, quando chegou por lá,vinda de Formiga, ou melhor, ela dizia que tinha nascido em Pains(?), e de quem conservava o retrato, sempre colado ao lado do espelhinho do banheiro, lá em cima em seu quarto, que ficava depois da casinha do tanque.
Ah, ela não arrumava namorado porque "era direita, não era daquelas".
Ela esperou o seu Zé durante muitos sábados e domingos. Pobre Noni, só muito mais tarde que eu entendi sua espera. Até hoje, Ivone, velhinha, acredita que o Zé não apareceu por que ela mudou de endereço e ele não recebeu a carta. Engraçado como as moças de antes acreditavam nisso...
Bom, a Ivone gostava, além do Zé e da gente, do Clube Atletico Mineiro, e principalmente de um goleiro atleticano de nome Ortiz...
Lembro dos gritos dela, assistindo o videoteipe do jogo, o qual já sabíamos o resultado pelo rádio! Ela torcia como se o jogo estivesse acontecendo ali , naquela hora, e falava:
- Gente, as vezes muda, uai...Como ela gritava toda vez que o inimigo ( era assim que ela chamava os times que jogavam contra o atlético), iniciava o ataque :
- sigura Ortize...... sigura!!!!
Ficou famoso o "Ortize da Ivone", assim como o nome que ela deu para uma fôrma de ferro que fazia torradas.
Era novidade, e chamava na época fast - toast, e colocava-se o pão com queijo dentro e levava ao fogo. Ela só falava rapituche...-" gente, o rapituche ta pronto..., corre que vai esfriar..."!
E até hoje, sanduiche lá em casa so se chama rapituche!
Passou de pai pra filho, de vizinho pra vizinho!
A Ivone só tinha mêdo de uma coisa:
- da queima do Judas!
E meu, pai , festeiro oficial da rua Albita, fazia todo ano, a queima do Judas.
Lá dentro do Judas, que era costurado pela minha mãe, tinha bala que voava, chicletes ping-pong, pirulito e muita bombinha! Era uma farra para todos da rua e desespero para a Ivone, que tinha medo de bombinha e de buscapé, por que de dentro do Judas, além das guloseimas, saía um monte de bombinhas e de buscapé...
Engraçado como o olfato me fez voltar no tempo... alguem queimava alguma coisa lá embaixo, perto da via expressa, e foi o cheiro de fumaça misturado com os papeis voando perto da janela que me fizeram lembrar dessas histórias..!!!!

5 comentários:

Anônimo disse...

Ydi, sabe que adoro ler as histórias do blog, vc tem um jeito bacana de escrever que faz relmente eu me transportar para o lugar e consigo ver a rua Albita, a casa, vcs pequenininhos e até a Ivone...é um momento de relax para os meus sias tão agitados, uma pausa do meu dia que me faz muito bem...
Viva o blog!
Méia

Gdá disse...

Viva!!!!!!!!!!!!

marilia disse...

gente, o que seria desse bloguito sem vocês??????
bjos e Brigaduuuuuuuuuuuuu
até são joão, chego amanhã....

Joana disse...

tadinha da ivone.. morro de do dela porque o moco dela nao voltou.. fiquei triste.. ela era puxa-saco do matheus, brigava com nos todos mas nunca xingava o matheus, eu e o pedro tinhamos odio!

marilia disse...

é verdade...rsss ela sempre foi puxa saco do mAtheus e quando a gente ( eu, fatima, sacha e bacalhau ) ERA PEQUENO, ELA ERA PUXA SACO DA FÁTIMA!!!