Layout / Art: Ana.

sábado, agosto 25, 2007

Texto

Segundo reza a lenda, esse texto é verdadeiro. (re-escrito)

Começou quando a gente se cruzou, e eu gostei do jeito que ele me olhou. Não, acho que foi depois, quando a mulher dele foi para a cozinha. Ele aproximou-se, nos beijamos. De boca aberta.
Sem pedir licença, ele colocou sua mão entre minhas pernas.
Ninguém na sala percebeu como a gente se esfregava, se apertava, se abraçava .
Fazia calor, noite de chuva quente, coisa de fim de verão.
A sala estava cheia, festa traje passeio completo.
Ele não tirou nem a gravata.
Tirou minha roupa com um toque.
O cheiro do vinho escorria perna abaixo e o peso dele me sufocava o sexo.
Minha boca estava seca, alguém encheu novamente meu copo.
Sequer percebeu que eu já estava nua.
Sempre fico com a boca seca. Característica minha.
Ele ? Cara atrevida, vulgar.
Com um movimento rápido, me levantou sem fazer força.
Cruzei minhas pernas em volta do seu corpo.
Cabeça para trás, me abri por inteiro, molhada de prazer.
E ali em cima da mesa, naquela hora, jorrou quente um rio de paixão.

3 comentários:

valter ferraz disse...

Marilia,
Ptutz! Annais Ninn, ou Erica Jong?

kika disse...

eh, pripa safadona. que vida...

Yvonne disse...

Caramba!! Perdi a voz. Isso é coisa que se faça? Fiquei sem fôlego. Beijocas