Layout / Art: Ana.

quinta-feira, agosto 02, 2007

Texto

Me casei duas vezes, e com cada marido tive uma filha.
Fui feliz nos dois casamentos a minha maneira.
O primeiro foi tranquilo, amorzinho.
O segundo, paixão arrebatadora que ainda me pega de leve as vezes...
Joana, é filha do meu primeiro marido, o Didi.
Meu segundo casamento foi com o Alexandre, com quem tive Maria Júlia.
_______________________

Ontem foi quarta feira.
Há muitos anos esse é o dia do plantão noturno do Alexandre.
Acostumei assistir o jogo sempre sozinha, por que quarta -feira também é dia de jogo.
Estou meio de banzo esses dias, e as lembranças estão vindo com mais intensidade.
É lugar comum dizer que os homens são pragmáticos, fazendo coisas objetivas e claras, tornando-as absolutamente verdade útil.
O Alexandre é assim.
Curioso como eu só percebi isso depois que deixei de amar.
É, eu acho que essa característica torna alguns homens sem graça, sem senso de humor, sem saber lidar com o inesperado, ou com a situação diferente da idealizada.
Tirando todo o resto... , hoje eu sei que me separei dele por isso.
Detesto homens sem senso de humor, mesmo aqueles que são extremamente competentes em outras áreas.
Não há como negar que o Alexandre foi uma grande paixão.
Foi também, dos melhores homens com os quais já me deitei, aquele cuja lembrança ainda dá frio na barriga!
Com ele sempre foi especial o sexo.
Talvez, tenha vindo dele todo o meu aprendizado da libertinagem.
Ele é daqueles homens que cresceram meninos no interior, daqueles que tio levava pra zona, daqueles que aprenderam a transar livre, na roça, com galinha, carneiro, empregada, filha da empregada, coisa bem coronel, bem de um Brasil que ainda existe nessas Gerais e em outras Capitanias....
Meu bem , meu mal.
Verdadeiramente analisada, hoje eu digo que não foi a traição ( a qual me transformou temporariamente em Medéia), ou as grosserias que antecedem separações, sequer grana ou falta dela , mesmice ou rotina que me levaram ao divórcio final...
Foi o pragmatismo.
Foi a forma como ele sempre lidou com tudo que, efetivamente, acabou com o tudo que existia.
Boa maneira pra se viver.
Passa-se mais ou menos sem ser notado pela vida, e também não se adentra nela.
Mas, muitas vezes, esses homens costumam resolver problemas dantescos com uma facilidade inconteste.
Os homens...eles são tão simples, e eu aqui, a escrever sobre eles.

By Marlia
- 2006

19 comentários:

Anônimo disse...

Marília, fazer comentario sobre esse texto é politicamente incorreto, afinal você sabe muito bem que nao fico imparcial...rsrsrs quando se trata do meu irmão. Ele certo ou errado, vou defende-lo sempre com unhas e dentes, temos uma ligaçao especial, com ele e seu pragmatismo sempre pude contar.
Mas te digo que o que manteve aceso o amor e paixão de vocês dois, por longos anos e de maneira gostosa e harmoniosa, (fui testemunha ocular e sonhei muitas vezes viver um casamento como o de vcs, dava gosto de ver a sintonia).... foi justamente o seu jeito livre e alegre de ser, sua maneira expontânea,companheirismo e principalmente sua libertinagem que encantaram esse menino do interior e ainda encanta...rs
Procede a melancolia e a saudade, faz parte. Afinal saudade é sentimento proprio de tempos felizes que ficaram na lembrança ou de quem nos fez muito bem.
Um beijo, sua cunhada eterna Dedeia.

Anderson-kbça disse...

Nossa que maneiro Marília, acho que é por textos assim que sempre dou uma passada por aqui.

Acabo aprendendo um pouco com vocês, com experiências. Sabe que sou recém-casado e o meu maior medo é perder meu amor por coisas banais, algo foram do comum. Nar verdade tenho medo de perde-la por qualquer motivo. E nesta quinta-feira de sol aqui no Rio de Janeiro, aprendi mais um motivo que pode levar muitos casamentos (e muitos casais não vêem isso).

Obrigado Marília.

abraço.

Lord Broken Pottery disse...

Marilia,
Li seu texto com muita atenção. Adoro ler a alma feminina. Somos, sim, diferentes em algumas coisas. Complementares, sempre considerei. Também acho o humor fundamental. Rir é muito gostoso. Só não sei se existem coisas que temos a capacidade de explicar. Me pareceu, desculpe-me se estiver sendo chato, que você não foi muito convincente na escolha da razão principal. Será que foi mesmo o pragmatismo? Só mais um detalhe: não somos assim tão simples.
Grande beijo

Meiroca disse...

Marilia, que linda esta tua relaç°ao com tua cunhada, raro isso,
bjhs

Yvonne disse...

Marília, achei legal essa sua homenagem a um homem que você amou e que agora não está mais com você. É gostoso ver que você ainda tem carinho por ele. Gostei também do post da sua cunhada. Foi muito fofo. Beijocas minha linda.

valter ferraz disse...

Marília,
beleza de post. Ví sinceridade em cada palavra. Linda atitude de quem nada tem a esconder.
Grande menina, não se poupa e nem doura a pílula.
Relações humanas? sempre complexas. Naqueli livro que ainda não conseguí escrever, tento falar nisso. Chama-se O Muro e trata dessas relações complicadas, complexas e por isso mesmo, muito interessantes.
Deixo um abraço para tua cunhada Dedéia. Muito legal poder contar com um apoio desses.
Beijo, menina

O Meu Jeito de Ser disse...

Dá-lhe menina.
Amo, não sei porque amo, mas amo.
Tudo que é amor, não dá prá se arrepender.
Bonita reação sua com o pai da Mali.
Muita paixão, que um dia esvaziou-se.
Simples os homens?
Não sei se é isso, creio que são mais afoitos, não pensm como nós, não analisam nada, querem só o aqui e agora.
Arrependem-se de determinadas atitudes, mas não aceitam isso de jeito nenhum. Quando querem voltar atrás, tarde demais.
Mas acho que o que conta é o momento, se está bom, vamos tentar esticar o máximo.
Amar sempre vale a pena.
Lindo seu relato.
Beijos

Lili disse...

É sempre muito difícil uma separação,e é muito raro encarar da maneira q encara. O bom é lembrar q apesar do fim, ele fez parte de um passado bom e importante na sua vida.
BJocas

Camu disse...

É isso aí! Se há saudade, quer dizer que teve importância, que foi intenso, que foi bem vivido. Só que como a vida é um ciclo, um dia findou. É assim!
Beijo

Eduardo P.L. disse...

Marília, um bom texto, corajoso e autêntico. Discordo do Lord e concordo com você absolutamente: somos muito simples, sim!

Bjs e parabéns!

Sonho Meu disse...

Uma amiga minha uma certa vez me falou..."homens e mulheres são incompativeis."
Lógico né mesmo? Se um casal fosse um par de jarras, igualzinho em todos os sentidos, jamais iria dar certo.
A intimidade, a parceria e o humor no casamento, pra mim é tudo, pra um casamento dar certo.
bjos,
me

Blogue da Magui disse...

Interessante.Pela descrição do segundo ele não me servia nem para tomar um shopinho perdido.Imagine se eu teria qualquer tipo de relaçãos com um cara que transou com animais.Eca!

pianomanga disse...

Oi Marilia, boa noite.
É verdade, sou homem e realmente
observo que podemos até não ser tão
simples assim, mas com certeza so
mos bem menos complicados no rela
cionamento.Como ja disse o escritor
Nelson Rodrigues, toda generalisa
ção é burra portanto... . Eu vejo a
mulher sempre mau humorada e ela sempre diz ter N motivos pra ser assim e não sou eu quem vai questio
nar este seu modo de ser pois ai é o mesmo que cutucar a onça.parodian
do Vinicius, MULHER, MELHOR NÃO TE-LAS, MAS SE NÃO TE-LAS COMO SABE-LAS.Marilia no fundo o que importa
são os momentos de alegria e felici
dade que vivemos, tão bons que até
deixam saudades. Bjão linda.

perdidinha... disse...

realmente chamou a minha atençaõ sua relação com sua cunhada...ou ex cunhada.
da minha quero total absoluta e irremediável distância de quilômetros-luz!rs...
realmente não sei lidar com pessoas pragmáticas... sou complicada demais pra elas!rs...
beijocassssssssss perdidas marilinha!

Sandra disse...

É... A falta de humor - o bom - é algo que difícil de se administrar. Sei bem disso. Ainda bem que guarda bvons sentimentos com relação a ele. Ainda vou crescer e chegar neste ponto. Minhas lembranças, apesar de estarem sumindo (graças a Deus) ainda guardam mais mágoas que qualquer coisa boa.

Beijos

Priscila Pires disse...

pois eh mamys tao simples mas tao indispensaveis neh??? Nao quero dizer que nao seja feliz sem homem mas que eles adicionam um tempero nas nossas vidas isso eles fazem...
Nao sei se amo mais os homens ou as fantasias que invento na casa a respeito deles...kkk
complicado...e sem duvida senso de humor eh vital!
bjossss

marilia disse...

Gente, é interessante como cada pessoa v~e um depoimento na conformidade de sua vivencia.
é isso mesmo. foi uma historia e vivi ela inteira, e agora acabou,mas de uma maneira bacana.
Magui minha linda, as coisas não são literais! acho que seria legal vc dar uma lida em alguns escritores brasileiros que narram histórias de moleques do interior... a livre associação de palavras e ideias permite que a gente viaje nas historias. leia José lins do Rêgo... Ele é otimo com esse tema ( eu acho...0
Bjos

valter ferraz disse...

Marília,
qual o moleque do interior que não embarrancou uma cabrita, uma égua?
Isso de nem pensar é puro desconhecimento do universo masculino.
A gente não pode ver um buraco, nem que seja de fechadura, vai dizer?

marilia disse...

Valter...rsss
só vc...
mas como diz o eduardo, acho que os homens são mais simples que as mulheres...nós somos confusas, bipolares, ansiosas e LINDAS,MARAVILHOSAS E SEM A GENTE , VCS NÃO VIVEM...
ps: desculpe o ataque de autos estima...rsss