Layout / Art: Ana.

domingo, dezembro 10, 2006

desabafo barroco


fui durante anos daquelas que sempre disseram sim.
meu medo, meu horror a solidão, criaram a falsa impressão da minha eterna disponibilidade para o outro.
vivo, nesse momento, o inferno que dante descreveu, o desespero d'alma que levou herois e amantes a morte.
amar me transformou em alguem subversivamente submisso, quase patético.
hoje, me revolto, contradigo minhas crenças.
Onde estão meus duentes da força? preciso deles para lutar.
Lorca, ibsen, ensinem-me a encontrá-los, para que tirem de dentro de mim, esse "algo" que me faz querer cortar gargantas e esfarelar corações. chamem duendes que me tornem boa. amavél.

"tampouco talvez seja amor, quando digo que, para mim, és a mais amada; para mim, amor é seres a faca que reviro nas minhas entranhas"-
(kafla foi o gênio do isolamento. Com ele aprendi que nada temos em comum com nós mesmos, muito menos com terceiros.)

" ela agora era mulher sofrida, não mais jovem graciosa; porém, ainda posssuía algo capaz de atiçar a imaginação, fazer parar, momentaneamente a respiração de alguém; bastava um olhar ou um gesto que, de certo modo, revelasse o significado das coisas comuns"
( willa cather, nostalgica em suas mulheres de posturas sexuais ambíguas, mas que escreveu da paixão com amor.)
hoje, estou cansada. vou embora antes que me corte e perca a luz do sol.
ah... os sols da minha belo horizonte, do meu são joão, e da minha paris...
os sols dos meus amores.

3 comentários:

Carlinha disse...

Marilia,
também tive a época de dizer sim, e assim como você, logo, logo (em fevereiro) entro em outra década (a das mulheres de Balzac) e me preparo psicológicamente para tal...
Talvez isto me faça querer mudar.
Inclusive no que diz respeito a aceitar e dizer sim para tudo no amor.
O sofrimento é passageiro, quando se opta por escolher o que se quer.
Melhor que contar depois histórias de uma mulher deprimida que viveu uma vida de sofrimentos por ter escolhido o desejo do outro.
Quero um amor lindo e perfeito, sem calma, com fogo e paixão.
Talvez seja intensa demais e esteja vivendo apenas um rompante, que logo se resolve (ou não?).
O que importa é que aprendi a fazer minhas escolhas e dizer sim para quem eu mais devo amar: eu mesma.
Grande beijo e obrigada pela indicação, me identifico demais no teu blog.

O Meu Jeito de Ser disse...

Amor com submissão, não combina.
Amor só é muito bom, quandoestá ligado com a interação.
Há de ter trocas, do contrário, se esvazia.
Vim te deixar um beijo e desejar uma ótima semana.
Obrigada pelo link, sou lentinha também com a net, mas tenho amigos maravilhosos que me ajudam.
Tem amigos meus, que tenho certeza voce gostará muito de conhecer.
Um beijo Marília.

marilia disse...

gente, estou adorando conhecer voces!
e vc carlinha, queria muito que lesse os posts dod meses de maio e junho... vc vai gostar!
e quanto a minha amiga que tem um jeito especial de ser, seja benvinda! beijos