Layout / Art: Ana.

quinta-feira, janeiro 11, 2007

VERGONHA ! É GRANDE MAS DEVE SER LIDO!

Assunto: QUE VERGONHA!!!!!!
Estamos todos cansados de ver hipócritas cada vez mais por cima no Brasil.
Ao vê-los, lembro-me de uma cena que, com certeza, todos já presenciamos, que são os urubus atacando uma carniça.Quando um sente que o outro está comendo mais que ele, corre atrás dele até afugentá-lo.
Porém, quando volta, outro urubu já assumiu seu lugar e tudo recomeça novamente.

POIS BEM, A MARACUTAIA BENEFICIA FILHA DE MINISTRO DO STJ Gloria Maria Lopes Guimarães de Pádua Ribeiro Portella, filha do ministro do STJ Antonio de Pádua Ribeiro, aquela que entrou com queixa de assédio sexual contra o ministro do STJ PauloMedina,!!!
Ela acaba de conseguir uma decisão na justiça federal que é uma imoralidade e um desrespeito sem tamanho ao direito de candidatos a concursos públicos.
O processo é a ação ordinária Nº 1998.34.00.001170-0 classe 1300 que está no Tribunal regional federal da 1ªregião ( www.trf1.gov.br).

A autora a mesma Gloria Maria Pádua Ribeiro, e Rés, a União Federal e FundaçãoUniversidade de Brasília.

Gloria Maria fez concurso público pela Cespe-Unb para o cargo de técnico-judiciárioárea-fim em 27/05/95 para o STJ onde seu pai é ministro. Foi reprovada na provaobjetiva. Entrou com uma ação cautelar e, advinhem, obteve liminar. Fez a prova da segunda fase, a provadiscursiva. Foi reprovada novamente. Entrou com nova ação para ver seus pontos aumentados. Advinhem:?
Ganhou nova liminar e mais: foi"nomeada provisoriamente" e está ganhando esse tempo todo no tribunal do papai(desde 1995!).

Detalhe: Havia tirado 13,45 pontos e pediu que esses pontos fossem elevados a 28,22.
Parece brincadeira, mas conseguiu. Seus pontos foram elevados num passe de mágica. O caminho das pedras foi arranjar um "professor particular" (isso mesmo!) que corrigiu sua prova, para quem estava tudo mais que certinho, e praticar o tráfico de influência de seu pai ministro, Antônio Pádua Ribeiro.

Aí veio o julgamento do mérito do caso. O juiz federal de Brasília (1ª instância), José Pires da Cunha, nãocaiu nessa e refutou o pedido que considerou ilegal e imoral e ainda condenou Gloria Maria Pádua Ribeiro nas custas e honorários de R$10.000,00 (ainda existem juízes!),
Mas....houve recurso ao tribunal regional federal da1ª região e, advinhem, os juízes Fagundes de Deus, João Batista e AntonioEzequiel louvaram a candidata,analisaram timtim sua prova e aprovaram-na com louvor. Debalde a Universidade de Brasília (UNB) peticionou dizendo que a prova foi igual para todos e não seria justo que um professor escolhido pela candidata corrigisse sua prova, a não ser que o mesmo professor corrigisse a prova de todos.
É justo? Debalde a UNB argumentou que pela jurisprudência ojudiciário não corrige provas de concurso devido a independencia das bancas e porque senão a justiça não fariamais nada a não ser setransformar numa super-banca dos milhares de concurso. Todo mundo sabe o que houve nos bastidores. Houveram até apostas no meio jurídico se a "banca pádua ribeiro" iria conseguir.
Veio agora recentemente a sentença do trf 1ª região 5ª turma que é mais um descalabro mostrando necessidade do controle externo.
Pádua Ribeiro e seus patotas espoliaram o verdadeiro dono da vaga quedisputou em igualdade de condições e passou.
Passou e foi preterido!
Gloria Maria de Pádua Ribeiro ganhou no tapetão sujo do tráfico de influência.
De 13 pontos passar a 28, quando um décimo, veja bem: um décimo, já elimina muitos candidatos!
A sentença analisa as preposições, as conjunções, avirgulação, a ortografia da redação, acatando a tese da "banca pádua ribeiro".
Nem tudo está perdido. Existe recurso para o STJ e STF e todos esperam que a união federal, a advocacia da união e o ministério público federal não fiquem coniventes.
Se Glória Maria Pádua Ribeiro perder a causa perde o cargo e o verdadeiro dono da vaga, pobre mortal sem padrinhos, será chamado.
E agora vem a chave de ouro a deixar claro que este País não é sério mesmo. O mesmo Pádua Ribeiro, ministro do STJ, pai da falcatrua acima relatada e de muitas outras praticadas por sua mulher, a famosa "Glorinha",está prestes a assumir o cargo de Corregedor do Conselho Nacional de Justiça (o chamado controle externo),conforme noticiado nos jornais.
Estranho????
"JÁ QUE NÃO É POSSÍVEL DELETAR, VAMOS FISCALIZAR"

4 comentários:

Sonho Meu disse...

Eu sempre diza que o pais precisa de uma boa revolucao. Mas mudei de opniao... o pais precisa de uma boa educacao... e de pessoas que abram a boca no mundo e apontem as imundices dessa cambada de gente safada, tipo esse trem da alegria do juiz.
Parabens.
bjos,
me

O Meu Jeito de Ser disse...

Marilia,é assim que funciona, pode ser concursos, loterias, e o diabo a quatro.
Tudo carta marcada.
Em 2002, prestei um concurso,para secretário de escola, aqui no litoral, onde não existe emprego.
Pois bem, fui aprovada, publicado no diário oficial,etc.
Bom, na hora da entrega dos documentos para efetivação da convocação, fui eliminada,porque não havia votado, e nem justificado em tempo hábil.
Apenas paguei a multa depoi,porém oestado não aceitou opagto de multa.
Poderia entrar com um processo de embargo de vaga, e provar que no edital, dizia que: tinha que estar quites com a justiça eleitoral, e não ter votado.
Porém preciava de grana para o advogado,e eu não tinha, e mais, não tinha nenhuma certeza que ganharia, portanto não poderia fazer um compromisso de um empréstimo por ex.
Mas, quem sou eu? Simples mortal.
Concurso, é apenas para fazerem caixa. Quem vai conseguir a vaga, ja´está definido.
São todos uma cambada de ladrões, que não enxergam nada, além de seus próprios umbigos.
beijos

Roberto disse...

Aparentemente, essa história não é bem assim... Segundo o Jornal Tribuna do Brasil, o site "Ultima Instância" e o Correio Braziliense do dia 16/02 de 2006, os emails partiram do computador do Desembargador Getúlio Vargas de Moraes, do TJDF, com o intuito de impossibilitar a aprovação do nome do Ministro Antonio de Pádua Ribeiro como corregedor da Justiça Federal no Senado. Pode verificar nos sites abaixo:

http://clipping.planejamento.gov.br/Noticias.asp?NOTCod=250064
http://www.tribunadobrasil.com.br/?ned=1592&ntc=13143&sc=1
http://ultimainstancia.uol.com.br/noticia/25236.shtml

Passo o texto do Jornal Tribuna do Brasil, que é menor, diretamente:

Desembargador põe culpa em vírus

Acusado de elaborar e divulgar e-mails anônimos num computador funcional do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF), o desembargador Getúlio Moraes Oliveira pode ter sido vítima de um potente vírus conhecido como “Trojan” ou “Cavalo de Tróia”.
O desembargador será investigado pelo próprio Conselho Nacional de Justiça e pelo TJDF por supostamente ter divulgado mensagens com o título “Maracutaia beneficia filha de ministro do STJ” para tentar evitar a aprovação no Senado do nome de Antônio de Pádua Ribeiro, ministro do Superior Tribunal de Justiça, ao cargo de corregedor nacional de Justiça.
As acusações contra o desembargador levam em conta um inquérito da Polícia Federal. Em dezembro do ano passado, agentes da PF fizeram uma operação de busca e apreensão na casa de Getúlio e encontraram no computador do desembargador um arquivo intitulado “Minhas mensagens anônimas”.

Perícia
Segundo nota do Tribunal de Justiça, laudos da Polícia Federal e de peritos do TJDF apontaram a existência de um vírus no computador do desembargador. Este vírus instala programas executáveis que transformam o microcomputador num terminal de internet “aberto”. A nota informa que trata-se de um programa que elimina as proteções e abre uma porta de comunicação não monitorada.
Uma vez contaminado o micro, como teria sido o caso, as conseqüências são catastróficas: permite ao invasor a descoberta e roubo de senhas, cópia ou destruição de arquivos, formatação do disco rígido do microcomputador – “HD” –, envio de e-mails, criação de pastas e documentos. É como se um usuário compartilhado estivesse trabalhando em sua máquina, de modo imperceptível.

Leonardo Mundim disse...

04/04/2013

O processo a que se refere o Sr. "Roberto" acima teve decisão do Superior Tribunal de Justiça na data de ontem (03/04/2013), o qual, por unanimidade, absolveu o Des. Getúlio Vargas de Moraes Oliveira, confirmando sentença igualmente absolutória que havia sido proferida por Juiz Federal. Confira-se:

"Absolvido
A Corte Especial do STJ absolveu, por unanimidade, o desembargador Getúlio Vargas de Moraes Oliveira, do TJ/DF (APn 684). O magistrado foi acusado, em 2006, de ter usado computador funcional do próprio TJ para enviar e-mails anônimos contendo afirmações contra o ministro Antônio de Pádua Ribeiro, hoje aposentado. O e-mail anônimo, intitulado "Maracutaia beneficia filha de ministro do STJ" foi enviado a todos os senadores e às altas autoridades do Judiciário e do Executivo, além dos principais órgãos da imprensa brasileira, e acusava o ministro Pádua Ribeiro de influir politicamente para colocar sua filha como funcionária do STJ. O documento anônimo afirmava que a servidora teria ingressado nos quadros do tribunal em razão de uma liminar concedida pelo TRF da 1ª região. Na defesa do desembargador, brilhou na tribuna o advogado Cleber Lopes, do escritório Lopes de Oliveira & Versiani - Advogados Associados."

Fonte: http://www.migalhas.com.br/mig_amanhecidas.aspx, acesso em 04/04/2013.