Layout / Art: Ana.

sexta-feira, novembro 02, 2007

A Casa dos Alvarengas

A RUA DA ZONA
O curioso é que eles faziam fila para entrar na casa.
Era uma curiosidade enorme, e ninguem nos falava a verdade.
Eu sabia que "era mentira", a explicação vaga da minha avó, e a risadinha que acompanhava o rosto do meu pai quando perguntava por que as casas da rua de trás da igreja do Carmo ficavam fechadas durante o dia, só abrindo as janelas depois das três, quatro horas da tarde.
- Lá é a zona, diziam meus primos, e danavam a rir.
Como assim? que zona? que trem é esse?
E lá vinham outros deboches e gargalhadas masculinas...
As casas eram parecidas, tinha o mesmo telhadinho, janelas iguais, barroco sanjoanense.
Umas brancas, janelas azuis, outras rosas, janelas marrons.
As mais feias eram pintadas de verde.
Era proibido passar lá, mas como não ir?
Ficava perto da rodoviária, atrás da igreja do Carmo, e perto da padaria e dos biscoitos mazzoni.
Ah, como os homens sempre foram privilegiados, eu pensava.
Podiam ir pra zona, lugar bonito, iluminado a noite, cheio de música e colorido.
Eles sempre iam arrumadíssimos, e ficavam na fila em frente algumas casas.
Eram as especiais, soube depois.
Naquelas casas "de fila", ficavam as moças mais novas e recém - chegadas na cidade .
Novidade.
As prostitutas mais novas.
Meninas quase, eu vi.
Eram festejadas, adoradas e presenteadas.
Vez por outra corria o boato na cidade de que algum filho de família havia se apaixonado por uma delas...
Problema burguês, solucionado com mentiras e com o escondido, como sempre.
E o pobre coitado do rapaz ia direto para o Rio de Janeiro.....
As prostitutas que moravam na zona de São João Del Rey tinham um horário de missa só para elas. Quem marcou, eu não sei, mas que é verdade eu sei...
No carnaval, era a rua mais cheia, dia e noite, e d'onde ouvia escondido na esquina, com minhas primas, as maiores risadas...
Era de lá, da zona, que os meninos voltavam mais felizes e risonhos.
Como eles gostavam de ir pra lá!
As prostitutas sempre fizeram os homens felizes.
Devem ser grandes mulheres.
by Idy - carnaval de 1977 -SJDR( adaptado)

8 comentários:

Sonho Meu disse...

Toda cidade tem a sua zona.
La em Recife era a Rua da Guia que era a rua do fuá.
Era criança e me lembro como os zoinhos dos homens brilhavam quando alguem falava da rua da guia, na area do porto. Hoje nao mais existe, pois virou um ponto turistico, com restaurante e barzinhos e concertos.
bjos,
me

Ana disse...

Que texto fantástico, Marília!
Poético, realista, saudosista, ingênuo, cultural... Tudo ao mesmo tempo!
Beijo
Ana
www.mineirasuai.blogspot.com

Yvonne disse...

Marília, como sou nascida e criada no RJ, não pude testemunhar histórias do tipo, visto que a cidade é grande. No entanto, posso dizer que toda mulher tem uma certa curiosidade com o mundo da prostituição. Lindo e poético post.

Eduardo P.L. disse...

Marília,

são grandes mulheres!

Trotta disse...

Muito boa essa foto que ilustra o post! Como vc conseguiu? Gúgo?

Ah, e obrigado pelo link que só agora eu vi, hehehe! :D

Por falar nisso, a parte 3 já está no ar, viu? ^_^

Abração!

... disse...

Belo texto, apesar de um assunto tão polêmico. A vida delas não deve ser nada fácil, mas q homem não quer uma mulher q se comporte como elas entre 4 paredes???
Bjks

Anônimo disse...

Eu sei de tudo. Ah! Carnaval, novas, antigas, todas felizes. A garotada tah em São João. Era o maior barato. Lembro de tudo, depois conto as historias. Beijos para todos. BIBA.

José Antônio de Ávila disse...

Rua da Cachaça. Confira mais em:
http://www.patriamineira.com.br/index.php?secao=ver_noticia&id_noticia=1873&id=3